Parabéns aos novos profissionais que receberam a Certificação UX-PM 1 em janeiro/2018 em São Paulo!

Parabéns aos novos profissionais que receberam a Certificação UX-PM 1 em janeiro/2018 em São Paulo!

Profissionais de diferentes cidades do Brasil — Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo — lotaram a primeira turma aberta de 2018 e promoveram uma rica troca de experiências com muito entusiasmo.
Parabéns aos profissionais certificados no UX-PM Nível 1!

“A Certificação UX-PM 1 possui uma abordagem simples e conteúdo excelente, tornando seu entendimento fácil. Com conceitos teóricos e atividades práticas, o tempo no treinamento é muito bem aproveitado. Aborda tópicos básicos e avançados, sendo essencial para qualquer profissional, independente da área de atuação.”
Paulo, UX/UI Designer, Icatu Seguros

“Gostei bastante do treinamento, mesmo que eu não esteja diretamente ligado ao gerenciamento de projetos e produtos na minha empresa. A Certificação abre a nossa mente para uma visão muito maior sobre o que estamos fazendo em nossas atividades. Entrar no universo de UX foi uma experiência incrível!”
Vítor, Consultor de Negócios, Bancoob

“É uma boa introdução ao mundo de UX, permite entender conceitos, ferramentas utilizadas, além de nos fazer compreender como seguir com o desenvolvimento de projetos com foco no usuário e com a participação das demais áreas da empresa. Vale o investimento.”
Rebecca, Gerente de Marketing, Claro Brasil

“A experiência foi muito boa e agregou muito valor. Os instrutores são ótimos e o conhecimento de causa é fundamental nesse treinamento. A localização do conteúdo é boa e a infraestrutura também. Vale muito a pena.”
Guilherme, Analista de Cartões, Bancoob

“Excelente! Me ajudou a aprofundar meu conhecimento e a refletir sobre a realidade de outros profissionais no mercado. Super recomendo, afinal de contas não há verdade absoluta e sempre temos algo a aprender.”
Danielle, Designer de Interação, USERFACE

“Ótima! Superou as minhas expectativas para o curso. 100% apaixonado!”
Douglas, Web Designer, XYS Interatividade

Como a IBM está treinando seus funcionários para pensar como designers

Como a IBM está treinando seus funcionários para pensar como designers

Esse é o título de uma reportagem publicada há poucos dias na revista Fortune e que traz informações impressionantes sobre as mudanças que tem ocorrido dentro da gigante de tecnologia em direção a User Experience.

Designers da IBM já participaram da certificação internacional UX-PM, então não era novidade para mim que a empresa vem ampliando o seu time de designers, mas me surpreendi com alguns detalhes que aparecem nessa reportagem.

Se você pensa na IBM como uma empresa de engenheiros, que coleciona patentes, fabrica mainframes e que se destaca no campo da Inteligência Artificial com a sua famosa plataforma Watson, vai se surpeender com o que está acontecendo lá dentro.

O maior time de design do mundo

A gigante de tecnologia IBM tem hoje 1.400 designers trabalhando em mais de 20 países que, segundo o jornalista da Fortune, é o maior time de design do mundo.

Em 2017 a companhia lançou um programa de treinamento em Design Thinking que forneceu a 90 mil funcionários conhecimentos básicos sobre essa “nova” metodologia de solução de problemas. E outros 21 mil funcionários estão participando de uma das 3 etapas avançadas do programa.

Aprender a pensar como designers

A IBM está treinando milhares de funcionários dos mais diferentes departamentos para que eles aprendam a pensar como designers.

“Pode parecer meio bobo, mas hoje, quando eu entro em diversos departamentos, eu vejo times de profissionais reunidos, discutindo em volta de ideias colocadas em postits”, disse Diane Paulenich, diretora da IBM que começou a trabalhar lá, no call center, há 32 anos, e participou do treinamento de Design Thinking.

Diane diz que já incorporou os processos de Design Thinking na sua rotina de trabalho, e os usa até mesmo quando está apenas fazendo um brainstorming com sua equipe. Passou a criar Mapa de Empatia com regularidade para as reuniões com clientes como uma técnica para não perder o foco de seu trabalho: “Não pense em você, Diana, pense nos clientes.”

“Good design is good business”

E por que uma empresa como a IBM está investindo em melhorar a experiência de seus clientes? Porque ela é um empresa líder de TI que foca na tecnologia, na qualidade, na inovação, e que compreende o valor que proporcionar boas experiências a seus clientes traz para o negócio.

Lá em 1973, o então CEO da companhia, Thomas Watson Jr., já dizia que o bom design gera bons negócios.

Hoje, o Head de Design, Phil Gilbert, enfatiza que o objetivo final de treinar esses milhares de funcionários para pensarem como designers é atender melhor os clientes e trazer um bom retorno financeiro: “As empresas não se preocupam com o design thinking por si só, elas se preocupam é em obter resultados positivos para o negócio.”.

Para ver a reportagem completa da Fortune em inglês, clique aqui.

User Experience além da tela

User Experience além da tela

Todas as previsões para 2018 incluem o avanço de tecnologias que estão evoluindo muito rapidamente: voz, inteligência artificial, internet das coisas, realidade aumentada e realidade virtual. E como fica UX – User Experience – nesse cenário? A resposta é: no centro de tudo, como sempre.

Não é porque as interfaces de voz, por exemplo, vão se tornar mais frequentes e em alguns casos eliminar a interação com uma tela, que a Experiência do Usuário será menos importante ou deixará de existir como alguns chegaram a dizer — talvez por desconhecerem o real significado de UX.

O primeiro requisito para uma boa User Experience é atender às necessidades exatas do usuário/consumidor/cidadão dentro dos diferentes contextos.

O fato de o usuário não precisar interagir com uma tela significa apenas que haverá outros pontos da Experiência do Usuário que vão merecer maior atenção.

O sistema ou aparelho que vai conversar com as pessoas vai ter que fazer isso bem, ou seja, vai ter que ser claro, amigável, atraente, e o principal: resolver o que a pessoa precisa naquele momento, sem causar dor de cabeça.

Pode ser divertido conversar com a Siri apenas pelo prazer de ouvir como ela responde perguntas básicas ou de ver como ela fica sem saber o que dizer em algumas situações. Mas quando uma pessoa tiver que fazer algo que ela precisa muito e a Siri ou um chat bot não conseguir resolver, aí acabou a brincadeira.

Criar um bom sistema de voz vai além da tecnologia, é preciso entender o usuário, descobrir as necessidades exatas que ele tem e conseguir resolver o que ele precisa. Só assim ele vai ficar satisfeito, falar bem da marca, do produto, do serviço, continuar usando e ainda indicar para os amigos.

Isso é crucial, seja para sistemas gráficos, de voz, com inteligência artificial ou com realidade aumentada.

Outro dia uma colega descobriu encantada a funcionalidade de realidade aumentada de um aplicativo que vende objetos de decoração. Na hora de usar, se deparou com uma série de dificuldades de interação e de entendimento das instruções, e não conseguiu ver como ficaria a poltrona que gostou na sala da casa dela. Em poucos minutos o encantamento inicial virou frustração e chateação.

Os desafios para os profissionais e para as empresas mudam com as novas tecnologias, mas o desafio de proporcionar às pessoas uma boa experiência permanece o mesmo.

Esse será o tema da UX Masterclass 2018 em Milão, na Itália: “UX beyond the screen”. O evento anual é organizado pela UXalliance e reúne especialistas de vários países para debater os desafios do Design, inovação tecnológica e o cenário atual e futuro da User Experience.

Respostas a 5 dúvidas frequentes sobre a Certificação UX-PM

Respostas a 5 dúvidas frequentes sobre a Certificação UX-PM

Nossa equipe tem recebido algumas perguntas e dúvidas sobre a certificação UX-PM. Por isso, além de responder individualmente, colocamos aqui 5 respostas principais no intuito de ajudar quem está pensando em fazer a certificação internacional em UX.

1. O que eu preciso para ter a certificação completa, ou seja, os três níveis de certificação da UXalliance? É necessário fazer provas ou apenas frequentar os cursos?
A UX-PM Certification é ministrada em 3 níveis. Para o nível 1 não há pré requisitos. Todos os profissionais das mais variadas funções em diversas áreas podem participar: Marketing, TI, Canais, Produto, Projetos, Inovação, BI, Comunicação, Design, UX etc.

Para participar dos níveis 2 e 3 é preciso fazer uma entrevista prévia ou ter participado do nível 1.

Em todos os níveis é necessário participar do treinamento presencial e ao final de cada um fazer o exame correspondente para receber cada um dos certificados.

2. Há algum tempo de espera entre uma certificação e outra (de cada nível)?
Às vezes há um espaço de tempo entre cada um dos 3 níveis. Outras vezes, os 3 níveis são ministrados um logo após o outro.

O intervalo entre os níveis pode variar e não afeta o aprendizado.

Você pode fazer os 3 níveis um em seguida do outro ou fazer apenas o nível 1 num primeiro momento e depois fazer os níveis 2 e 3 em outras turmas futuras.

3. Quanto eu precisaria investir para conseguir as três certificações?
As inscrições são abertas com bastante antecedência e o interessado que se inscreve cedo obtém desconto para cada nível.

Os valores de cada nível da certificação internacional em UX são diferentes para cada país. No Nível 1, por exemplo, podem variar de 1.400 Euros na França a 1.550 Dólares Canadenses no Canadá.

Em Portugal haverá um preço especial apenas para o lançamento da UX-PM em março de 2018. Para a primeira turma de cada um dos 3 níveis haverá um desconto promocional de 20%. As inscrições com desconto vão até o dia 1 de março.

Para ver os valores e datas de cada nível da UX-PM Certification em Portugal, clique aqui e acesse o site de inscrições.

4. Ao compreender melhor como UX Design funciona eu serei capaz de melhorar os serviços da minha empresa e atender melhor às pessoas que usam esses serviços?
Esse é o objetivo principal da certificação UX-PM: fornecer conhecimento e qualificação para que os profissionais possam aplicar na sua rotina de trabalho o que aprenderam.

Veja o que diz o instrutor Wojtek Chojnacki, da Polônia,

“Nós não esperamos que os participantes da Certificação UX-PM se transformem em especialistas em UX. Queremos que eles saibam como e quando introduzir UX nos projetos, como envolver os stakeholders, como gerenciar as atividades adequadas e como usar os resultados. Queremos que os profissionais passem do estágio ‘Eu sei do que se trata UX’ para ‘Eu sei como usar UX para obter maior valor de negócio para os meus projetos’.”

5. Tenho muitas dúvidas em relação a se vale a pena ou não me certificar. Onde eu posso aplicar UX Design?
Você pode aplicar UX aos projetos, produtos e serviços com os quais trabalha desde as primeiras etapas. O uso efetivo das metodologias e ferramentas de UX, integrando a visão do usuário desde as primeiras fases, permite criar produtos e serviços diferenciados e inovadores, que oferecem o que de fato os usuários/clientes/cidadãos precisam e que trazem retorno financeiro para a empresa.

A abordagem do Design Centrado no Usuário aumenta a performance global da empresa e ajuda a criar unidade entre os membros da equipe ao colaborar para criar uma visão comum.

Sobre as dúvidas se vale a pena obter a certificação, veja o que disseram alguns profissionais certificados em outros países:

“Como fiz as 3 certificações, posso dizer o que cada nível me proporcionou:
UX-PM 1: Conhecimentos gerais sobre UX.
UX-PM 2: Excelente imersão no tema UX e em suas metodologias.
UX-PM 3: Voltado para gestores de UX, abordando temas como: desafio de emplacar UX nas organizações, construir times de UX, gerenciar UX como um negócio etc.”
Ana P., Gerente de Canais Digitais, Banco Itaú

 “A Certificação UX-PM apresentou métodos, técnicas e processos, a partir de uma timeline de um projeto. Boa ideia! Como eu tenho trabalhado com projetos e produtos nos últimos 6 anos, essa foi uma abordagem extremamente benéfica para mim. Essa referência não só me ajudou a encaixar novos problemas dentro de algo que eu conheço bem, mas também me ajudou a desprezar toda a bagunça que eu fazia com as técnicas de UX.”
Pawel J., Agile Product Management Consultant

“A certificação UX-PM ajuda a ter uma perspectiva melhor de como medir os benefícios de UX. Melhora os argumentos que podemos usar para convencer a empresa que UX não é custo e sim investimento.”
Suzana S., UX — Estratégia, Caixa Seguradora

“É uma certificação muito prática, que mostra onde os gerentes devem focar: no usuário e nos stakeholders. Não se trata apenas de obter conhecimento útil mas de entender toda uma filosofia que permite criar produtos de sucesso.”
Magdalena T., Gerente de Projetos, CEE Equity Partners

“Eu tenho pouco conhecimento sobre o assunto, e a certificação me trouxe informações que poderei utilizar no meu dia-a-dia profissional.”
André R., Analista Programador, Samtronic equipamentos médicos

“A Certificação UX-PM é a combinação perfeita de teoria e prática, ministrada com profissionalismo. Esses 2 dias de aprendizado permitem que você organize uma base de conhecimento que pode ser usada imediatamente tanto para atender seus clientes como para racionalizar os processos de design dentro da empresa. Definitivamente, recomendo a Certificação UX-PM.”
Bartosz S., UI Engineer, Samsung

Tem mais alguma pergunta? Mande para nós.

 

UX-PM: Com a palavra, quem já fez

UX-PM: Com a palavra, quem já fez

Pawel Jurdeczka, um dos mais de 2 mil profissionais certificados UX-PM pelo mundo, postou na internet o texto abaixo sobre por que ele decidiu fazer a Certificação UX-PM e o que ele obteve com o treinamento. Veja o depoimento dele (o post foi adaptado do inglês para o português):

Treinamento e Certificação UX-PM: vale a pena?

“Um certificado em UX faz algum sentido? ‘Sem utilidade, a prática sempre supera a academia!’ ‘É apenas para levar seu dinheiro.’ ‘Tem tudo online.’
Estes foram alguns dos comentários que eu vi na internet. Apesar de toda essa raiva, decidi me inscrever na Certificação UX-PM Nível 1, a certificação internacional em UX da UXalliance.

Marco Zero

Um dos principais riscos em relação ao aprendizado do zero, por conta própria, é que, como você aprende um pouco aqui e outro pouco ali, você não tem uma visão completa e estruturada do assunto que deseja explorar.

Minha experiência mostra que não é possível obter um entendimento (ou um conhecimento aprofundado) sem aqueles dados bem estruturados que podem ser facilmente acessados a partir do banco de dados que fica entre os nossos dois ouvidos. Quanto mais referências o seu cérebro encontrar depois de uma consulta, melhor. Quanto melhor for a qualidade dessas referências, maior é o número de respostas amigáveis e amadurecidas que podem ser obtidas.

Contêiner mental

Parece que desta vez eu acertei na mosca. Como o treinamento UX-PM é ministrado por profissionais com muitos anos de prática, eu consegui obter respostas completas, de qualidade, com base em experiências reais, para todas as minhas perguntas.

Além disso, todos os materiais discutidos foram apresentados de uma forma muito fácil de acompanhar, o que no final resultou numa espécie de clique na minha mente -‘Ah, agora eu finalmente entendi’ 🙂

Para ser franco, eu acabei descobrindo que eu não sei muito, mas eu sinto que agora tenho um bom ponto de partida.

Apenas para visualizar melhor, lançando mão dos 4 estágios de competência (veja abaixo), eu identifico que agora estou no estágio de consciência de que falta uma habilidade, quer dizer, ‘Eu estou ciente do que eu realmente não sei’.

A Certificação UX-PM apresentou métodos, técnicas e processos, a partir de uma timeline de um projeto. Boa ideia! Como eu tenho trabalhado com projetos e produtos nos últimos 6 anos, essa foi uma abordagem extremamente benéfica para mim. Essa referência não só me ajudou a encaixar novos problemas dentro de algo que eu conheço bem, mas também me ajudou a desprezar toda a bagunça que eu fazia com as técnicas de UX. Resumindo numa imagem, o que aconteceu foi isto:

No final

Mesmo que muitas caixas ainda estejam meio vazias, elas parecem estar bem organizadas e prontas para serem preenchidas com novas informações 🙂
Pawel Jurdeczka, Agile Product Management Consultant, Poland

(Texto original aqui, em inglês)